Reduzir carboidratos ou gorduras, o que é melhor para secar?

Quando o objetivo é secar, é importante manter alguns fatores que influenciam a perda de gordura conservando o máximo possível de massa muscular. Adotar as dietas “da moda” pode não ser uma boa ideia, pois a maioria delas não preza pela qualidade e pelo equilíbrio da alimentação e não educa o indivíduo para a aquisição de hábitos alimentares saudáveis.

Dietas severas e restritivas tendem a não funcionar, já que nosso corpo precisa de todos os nutrientes para que a queima lipídica aconteça e possamos secar de verdade.

Mantenha seu metabolismo acelerado com os treinos, hidrate-se,  não ultrapasse o intervalo máximo de duas horas e meia entre as refeições e tenha paciência e foco, pois trata-se de um processo demorado.

A função de cada nutriente no processo.

Cortar carboidratos e gorduras costuma ser o primeiro passo de todos aqueles que querem secar, porém, é fundamental conhecer os benefícios desses macronutrientes e sua importância para o organismo antes de “radicalizar”.

Homem com a barriga sarada

Proteínas – Essenciais para manter o funcionamento do corpo, mas é preciso ter cuidado com a quantidade de ingestão, pois se consumidas em excesso também se transformam em gordura.

Carboidratos – São importantes para evitar o catabolismo (perda de tecido muscular). Eles formam o glicogênio que dá volume aos músculos e energia para o cérebro e para a realização das atividades diárias, inclusive os treinos. Escolher carboidratos de baixo índice glicêmico é uma boa opção.

O índice glicêmico representa a velocidade em que determinado carboidrato é digerido, absorvido e transformado em açúcar no sangue. Alimentos de alto índice glicêmico aumentam a liberação de insulina para normalizar a glicemia sanguínea. Quando os níveis de açúcar se elevam excessivamente o organismo tende a armazenar gordura, favorecendo o aumento de peso.

Dietas com baixo teor de carboidratos evitam esses picos de açúcar, formando menos gordura corporal. A insulina liberada pelos carboidratos favorece a síntese e ajuda a inibir a degradação proteica, mas trata-se de um hormônio que também inibe a lipólise (queima de gordura) e favorece a lipogênese (acúmulo de gordura).

Gorduras – As gorduras exercem a função de transportadoras das vitaminas lipossolúveis (solúveis em gorduras)  A, D, E e K e desempenham papel essencial na produção hormonal (testosterona, GH…).  Hormônios que, por sua vez, são responsáveis pelo aumento e manutenção de massa muscular e da força.

Uma dieta baixa em gordura tem níveis mais baixos de testosterona, como consequência, a diminuição da ingestão de gorduras é geralmente acompanhada por uma diminuição nos níveis de testosterona livre no organismo.

Dê preferência, no entanto, às gorduras monoinsaturadas (abacate, azeite, azeitonas e oleaginosas como castanhas, nozes, amêndoas etc.) e poli-insaturadas w3 e w6 (peixes, frutos do mar, soja, linhaça).

Equilíbrio é a chave 

Mulher fazendo abdominais

Uma dieta que oscile a ingestão de carboidratos e gorduras é a ideal para que não haja desequilíbrio na produção energética ou hormonal, nem perda de massa muscular. Quanto às proteínas, mantenha a quantidade diária de ingestão, em gramas, adequada para suas características físicas, treinamento e modalidade.

Oscile a ingestão de carboidratos e gorduras da seguinte forma:

-Um ou dois dias com maior ingestão de carboidratos complexos. Nesses dias, baixe a ingestão de gorduras.

-Alterne para um ou dois dias em que aumente a ingestão de gorduras e, consequentemente, reduza os carboidratos, mantendo um boa ingestão proteica.

Dieta não é “receita”, cada indivíduo tem um tipo de metabolismo e o que pode ser bom para mim, não necessariamente será bom para você. A melhor maneira de alcançar seus objetivos é procurar um nutricionista especializado, ser perseverante, ter dedicação disciplina e paciência.

Fonte integralmedica.com.br

Referências:

SARNI Souza: Novos conceitos em alimentação e nutrição: impacto na promoção da saúde e na prevenção de doenças. 2012

Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia: Mahan, L. Kathleen,   Editora: Roca – Brasil

Gostou do Post ? Ele lhe foi útil ? Deixe seu comentário, sugestão ou crítica, compartilhe com os amigos. Um grande abraço e até o próximo.

agmjunior

Adicione aqui suas Informações biográficas

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *